A VERDADE DE CADA UM – A VISÃO DAS CRIANÇAS DA ERA DE OURO

Já ouviram falar das crianças que já não são tão crianças assim???

As chamadas crianças índigos começaram a reencarnar com maior frequência após os anos 70, logo, já completam em média 40 anos de idade. São adultos com características bem peculiares, em sua maioria, com infâncias difíceis em função da falta de habilidade dos pais, sociedade e escola em entenderem o funcionamento dos seus cérebros e sensibilidade.

Gostaria de chamar a atenção sobre a capacidade desses seres em enxergar a verdade que existe por trás de tudo, ou seja, a capacidade que têm em descortinar as ilusões e mentiras faz dessas pessoas seres no mínimo diferentes. Essa diferença está diretamente ligada à capacidade de sentir. Os índigos simplesmente sentem as pessoas ao invés de entendê-las os julgá-las. Olhamos as pessoas e vemos sua aparência, vestimentas, gostos, hábitos e achamos que as conhecemos. Às vezes vivemos anos ao lado de alguém e depois de anos, ainda nos surpreendemos dizendo: “Não conheço você!” Esta sensação acontece porque projetarmos no outro aquilo que temos em nós.  A psicologia e a psicanálise explicam isso muito bem, cabendo um artigo à parte para escrever sobre este assunto, mas a grande questão aqui é que os índigos conseguem separar o que são deles e o que é do outro. Eles são capazes de visualizar a verdadeira essência das pessoas na mais pura simplicidade e, melhor, entender como elas funcionam e muitas vezes ajudá-las a entenderem isso.

É fantástico analisar e compreender como isso acontece em suas vidas, mas vale ressaltar que não é fácil, pois o mundo, de uma forma geral, não está preparado para isso. É exatamente aí que os índigos começam a sentir-se “de outro mundo”, seres incompreendidos pelo nosso povo. Entretanto, atitudes de julgamentos ainda estão presentes em nosso dia-a-dia, e lidar com pessoas que simplesmente enxergam a verdade de cada um, parece assustador, principalmente para os que estão acostumados a analisar e julgar os outros, ou ainda projetar seus fracassos e sensações nos outros.

Tenho vivido experiências interessantes com relação a sentir verdadeiramente as pessoas que me cercam. Confesso que algumas foram positivas e, outras, nem tanto. Mas é de uma grandeza profunda poder enxergar a essência de cada um, quem são de verdade, como funcionam e porquê. Isso facilita os relacionamentos interpessoais, profissionais e afetivos.

Você deve se perguntar qual a importância disso tudo? E minha resposta é: Esta característica inata das crianças índigos que é a capacidade de enxergar a verdade, pode ser desenvolvida por qualquer pessoa, basta realizar a sua transformação interna e trabalhar os aspectos da sua sensibilidade. Aprender com estas crianças, que já não são tão crianças assim é o melhor que podemos fazer neste momento. Afinal a missão de vida delas é transformar o nosso Planeta e consequentemente a nós todos. Por isso prestem atenção nos ensinamentos que elas nos trazem, tenham elas 7 ou 37 anos, podemos aprender a ser mais felizes e inteiros de uma forma rápida e indolor, apenas caminhando no fluxo natural da vida.

Transforme-se, a vida pode ser melhor do se imagina!

 

Vanessa Queiroz

Rua Pereira Stéfano, 114 - cj. 1211 - Saúde

(a uma quadra do metrô Saúde)

ESPAÇO ECOHOLOS

vanessa.queiroz@ecoholos.com.br

Contato Whats App

 (11) 94731-9402

  • w-facebook
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon